Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

Rômulo Saraiva | 23 de Maio de 2018

Rolar para cima

Topo

Sem Comentários

Servidor público pode se livrar do Funpresp

Servidor público pode se livrar do Funpresp
Rômulo Saraiva

Não completou nem seis meses que o Funpresp foi criado e o mesmo já está ameaçado de morte. Isso se o Supremo Tribunal Federal acatar uma ação patrocinada pela federação dos servidores que objetiva sua extinção, discutindo aspectos formais da norma. A Federação Nacional das Associações de Oficiais de Justiça Avaliadores Federais (Fenassojaf) ajuizou no STF a Ação Direta de Inconstitucionalidade 4863, contra a Lei 12.618/12, que instituiu o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais no âmbito dos poderes Executivo, Judiciário e Legislativo.

O que está em jogo no processo do Supremo é a forma como o Funpresp foi criado. O Funpresp, que é uma fundação, deveria ter sido por lei complementar, ao invés de ter sido criado por uma lei ordinária.

A federação sustenta que essa medida ofende a Constituição Federal, pois deveria se reconhecer o caráter público das fundações. A Fenassojaf requer o deferimento de medida liminar para suspender os efeitos da Lei 12.618/12, bem como de qualquer regulamento derivado dessa norma.

Caso o STF acate o pedido liminar, os novos concursos públicos seriam feitos sem observar as regras da Funpresp. Na prática, os novos concurseiros não precisariam pagar do bolso a contribuição previdenciária que ultrapassar o teto de contribuição do INSS, que é de R$ 3.916,20. O problema é o STF julgar esse processo rapidamente, principalmente se a liminar for recusada. No caso do fator previdenciário, faz 12 anos que a ação está fazendo aniversário sem julgamento definitivo do Supremo. É esperar para ver. Até a próxima.

Enviar um comentário